Avaliação do nível de maturidade para a geração de empreendimentos inovadores com metodologia CERNE:

estudo das incubadoras do Extremo Sul/RS

  • Priscila Nesello Universidade Federal de Pelotas
  • Cristiane Vasconcelos da Rosa Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: incubadora, CERNE, práticas-chave

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar o nível de maturidade das incubadoras do Extremo Sul do Rio Grande do Sul, com a utilização da Metodologia do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE). O CERNE é um modelo direcionado para resultados e promove a melhoria na qualidade dos processos das incubadoras, aumentando o potencial de geração de empreendimentos inovadores. O modelo possui oito processos-chave e trinta e três práticas-chave. A avaliação foi feita em duas incubadoras de base tecnológica da cidade de Pelotas-RS, a CONECTAR vinculada a Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e a CIEMSUL vinculada a Universidade Católica de Pelotas (UCPEL). A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas, qualitativa e quantitativa. A etapa qualitativa foi realizada por meio de entrevistas presenciais. A etapa quantitativa foi realizada com a aplicação de questionário, baseado nos processos-chave do CERNE NÍVEL 1. Ambas as etapas foram realizadas com a participação dos coordenadores das incubadoras. Como resultado, foi possível identificar que as incubadoras estudadas encontram-se na fase de implantação do CERNE NÍVEL 1. A contribuição deste estudo está em evidenciar a importância da articulação de um planejamento de implantação das práticas do modelo CERNE, com vistas a aperfeiçoar o atendimento aos incubados por meio de procedimentos que possibilitem uma melhor gestão administrativa, alinhando ações para complementar e disponibilizar uma base referencial de produtos, serviços e processos.

Biografia do Autor

Priscila Nesello, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Administração na UCS/PUC

Referências

ANPROTEC. Sumário Executivo. Centro de referência para apoio a novos empreendimentos-CERNE, Brasília, DF, Brasil, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 nov 2018.
________. Disponível em Acesso em: 19 out 2018.
________. Disponível em: Acesso em: 10 set.2018.
_______. Estudo de Projetos de Alta Complexidade: indicadores de parques tecnológicos / Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação ? Brasília: CDT/UnB, 2014. Disponível em: Acesso em: 15 set 18.
________. Panorama 2001. Brasília:2001. 42p.
ANPROTEC; SEBRAE; CERNE - Centro de Referência para Apoio à Novos Empreendimentos: Termo de Referência. Brasília, 2011.
ANPROTEC; MCTI. Estudo, Análise e Proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil. Brasília, ANPROTEC, 2011.
______. Estudo, Análise e Proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil. Brasília, ANPROTEC, 2012.
AUDY, Jorge Luis Nicolas. Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação: Desenvolvimento social e econÿmico na sociedade do conhecimento. Brasília, DF :
BELLAVISTA, Joan; SANZ, Luis. Science and technology parks: habitats of innovation: introduction to special section. Science and Public Policy, 36(7), p. 499-510, 2009. Disponível em: < https://academic.oup.com/spp/article-abstract/36/7/499/1619902?redirectedFrom=fulltext >.
BLANK, Steve; DORF Bob. Startup: Manual do empreendedor. O guia do passo a passo para construir uma grande empresa. São Paulo: Alta Books, 2014.BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: 2011.Edições 70.
CIEMSUL. Disponível em: < http://ciemsul.ucpel.edu.br/institucional>. Acesso em: 30 out 2018
CONECTAR. Disponível em: . Acesso em: 30 out 2018.
CHIAVENATO, I. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. 2ed. São Paulo: Saraiva, 2007.
DOLABELA, Fernando. O segredo de Luísa: uma idéia, uma paixão e um plano de negócios: como nasce o empreendedor e se cria uma empresa. 14. ed. São Paulo: Cultura, 2006. 312p.
DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. xii, 166 p.
HASSINK, Robert; HU, Xiaohui. Specialisation to Diversification in Science and Technology Parks. World Technopolis Association, WTR, 1, p. 6-15, 2012. Disponível em:< https://www.researchgate.net/publication/271137161_From_Specialisation_to_Diversification_in_Science_and_Technology_Parks> .
LIMEIRA, Tania Vidigal. O papel das aceleradoras de impacto no desenvolvimento dos negócios sociais no Brasil. São Paulo: FGV, 2014.
MINISTÿRIO DA CIæNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÿ?O - MCTI. Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e aos Parques Tecnológicos ? PNI. Portaria nº139. Brasília, 2009.
MORAIS, E.F.C. Seminário de Inovação 2007. Disponível em:
Acesso em : 22 set 2018.
NBIA - National Business Incubation Association. State of the Business Incubation Industry. Athens, Ohio: NBIA Publications, 2012. Disponível em:
OLIVEIRA, José Rodrigues. Incubadoras Universitárias de empresas e de cooperativas: Contrastes e desafios. São Paulo: UNICAMP, 2003. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica ) -Universidade Estadual de Campinas, 2003.
PLONSKI, Guilherme Ary.Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. Revista São Paulo em Perspectiva. V.19, p.25-33,2006. Disponìvel em : . Acesso em : 22 set.2018.
RIES, Eric. A Startup Enxuta: Como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Leya, 2012.
SEBRAE ? SERVIÿO BRASILEIRO DE APOIO äS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Sobrevivência das Empresas no Brasil. Brasília: Sebrae, out 2016. Disponível em: Acesso em: 27 set 2018.
TIDD, Joe Tidd; BESSANT, Joe Bessant. Gestão da inovação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman,2015.p.8-10.Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2018.
Publicado
2020-07-01